quarta-feira, 7 de janeiro de 2015

Viva Cristo Rei! O grito de um povo

      
        
O hostilíssimo regime do ditador Plutarco Elías Calles, dignamente cognominado Nero Mexicano, que se implantou sobre o México católico, instaurando uma série de leis anti-clericais que legava a religião à clandestinidade e evocava em pleno século XX os horrores do Império Romano. 

Nesta atmosfera bélica e obscura que se tornou aquela santa nação, um episódio marcará para sempre a alma do povo mexicano: O fuzilamento do Pe. Miguel Augustin Pro e seu grito majestoso que traduziu a fé de uma nação. 

Pe. Pro foi o incansável e destemido sacerdote jesuíta que colocou as forças callistas em polvorosa com peripécias inimaginaveis...
Ao ser capturado pelos federales, foi usado num audacioso projeto do diabólico ditador para intimidar os Cristeros, que tinham no Pe. Pro um grande líder.
Calles convocou os jornais e a tv para registrar aquele episódio, com o intento de intimidar o bravo exército de Cristo Rey.

Não esperava o impio ditador que, aquele fuzilamento, acabaria tomando rumos inesperados.
O que seria uma campanha contra os cristeros, tornou-se uma das mais belas propagandas da fé. 
E aquele exemplo viria incutir tanto ardor nos ânimos católicos, de modo que os cristeros animados pelo exemplo que assistiram, foram acometidos de tal força e coragem que quase esmagaram completamente as forças callistas. 

As câmeras postas para registrar um homem se acovardar ante a morte iminente e cruel que o esperava e assim, negar o seu Deus... Registraram, ao contrário, um sacerdote corajosamente acorrer ao martírio, ajoelhar-se em fervorosa prece, levantar-se e abrir os braços como seu divino Mestre, e bradar com todo o fervor de sua alma: "Viva Cristo Rey!".
E permanecer impassível, como bravo guerreiro de Cristo, ante as balas que abriram seu peito, sem calar sua voz. 

Aquele grito que ecoou de sua alma permaneceu entranhado no peito de cada católico daquela nação. Que ansiava também gritar Viva Cristo Rey ante os cruéis laicistas. 
Quem ficará indiferente a tão comovente grito! 

Aquelas cenas impulsionaram tantas conversões, e incitaram tantos animos a lutar por Cristo Rei!
De modo que, foram imediatamente destruídas aquelas gravações pelos callistas. E a mera posse de quaisquer imagens daquele glorioso fuzilamento tornaram-se um crime.

E aquele grito que ecoou dos lábios do Pe. Pro, -- "Viva Cristo Rey!" --, tornou-se o grande temor dos ouvidos anticlericas a ponto de se cortar a língua dos cristeros antes do martírio para não ouvirem mais aquele grito.

Viva Cristo Rey!

                                  ***

Abaixo algumas imagens do martírio  de Pe. Pro
       
                                        ***