sexta-feira, 25 de agosto de 2017

Os medievais acreditavam que a terra era plana?







Por Erick Ferreira




         A cena é épica! A catedral ornamentada com toda a pompa para a grandeza de um evento tipicamente medieval: a sagração real. Bispo e clero perfilados em seus postos, prontos a missão que lhes cabia naquela insigne cerimônia. E, em área de destaque, os símbolos daquele ritual: a coroa, o cetro e o globus cruciger, uma esfera representando o globo terrestre. Eram estes os símbolos que se exibiam nas cerimonias de sagração real nos tempos medievais.
Mas por que os medievais utilizavam um globo para representar a terra, já que segundo nossos professores os medievais acreditavam que a terra era plana?

Globus cruciger usado até hoje em algumas cerimônias de sagração real

O globus cruciger era um dos símbolos mais famosos na Idade Média; ele estava presente em inúmeras cerimônias, esculturas e pinturas medievais; simbolizava o poder dos monarcas e também, era um símbolo cristão de autoridade temporal.

gravura da escultura de Zeus adorada na Roma antiga

Era usado desde os tempos do Império Bizantino; e no Império Romano há notícias de uma grande escultura de Zeus segurando um globo terrestre, dos quais restaram apenas gravuras, demonstrando, assim, que antes mesmo da caluniada Idade Média, os homens já acreditavam na esfericidade da terra.

A estória de que os medievais acreditavam que a terra era plana é uma das mentiras mais deslavadas que já se levantou contra uma época. Deslavada porque ignorou-se a quantidade exorbitante de fatos que desmentem esta estória. Porém, felizmente esta mentira já vem sendo desmascarada há algum tempo. Mas cabe golpeá-la até que ela se dissipe de vez, e a verdade resplandeça com todo o seu fulgor. Pois, diante de uma afirmação desconexa e universalmente ensinada em livros didáticos, não há como se manter inerte.


Gravura de Otto III
Fonte: Walter Goetz, Historia Universal, Espasa-Calpe, Barcelona, vol. III, pág. 385


                                                 ***


Ao analisarmos esta calunia, uma pergunta vem à tona: como o homem medieval, tão afeito as verdades da fé, desconheceria um fato que está testificado até nas Sagradas Escritura que ouvia devotamente todos os domingos? Acaso não teria percebido estes trechos das Escrituras:
Ele é o que está assentado sobre a redondeza da terra, e os habitantes dela são como gafanhotos diante d’Ele; foi Ele que estendeu os céus como um véu, e os desenrolou como uma tenda para habitar” (Is 40, 22)[1]  
Do Senhor é a terra e tudo o que ela encerra; e a redondeza da terra e os que nela habitam” (Salmo 23 [24], 1) [2]
“E eu estava com ele, e a cada dia me deleitava, brincando continuamente diante dele, brincando sobre o globo terrestre, e achando minhas delicias em estar com os filhos dos homens”. (Prov 8, 30-31) [3]

Esta última passagem, de Provérbios, inspirou uma das obras sacras mais famosas da cristandade medieval, a imagem de Nossa Senhora de Montsserat, padroeira da Catalunha, datada do século XI (em plena Idade Média). Imagem que testemunhou a comovente conversão de um gigante da cristandade: Sto Inácio de Loyola, que passou uma vigília diante dela.
Acaso Sto Inácio, nas largas horas que passou junto àquela imagem, não percebeu que a Virgem e o menino Jesus traziam nas mãos uma representação do globo terrestre? Ora, se Sto Inácio não percebeu tal detalhe, será que o povo catalão que diariamente se reunia na catedral de Montsserat ainda não havia notado este detalhe?


Imagem de N. Sra de Montsserat


Em outra imagem medieval, o globo terrestre novamente figura nas mãos de outro ilustre personagem daquela época: O imperador Otto III (983-1002) do Sacro Império germânico. E alguns séculos antes, o globo terrestre aparecia na estátua equestre de Carlos Magno, rei dos francos. Datado do século IX.

Gravura medieval de Carlos de Napoles cm o globus cruciger nas mãos

E será que os trovadores medievais tão entendidos das obras clássicas, não conheceriam um dos maiores clássicos da Idade Média, A Divina Comédia de Dante Alighieri, que chegava até a ser declamada em praça pública? E se conheciam, acaso não teriam notado esses versos?

Con viso ritornai per tutte quante le sete sfere, e vidi questo globo tal ch’io sorrisi del suo vil sembiante (Com o rosto, com a vista percorri todas as cinco esferas, e vi este globo tal que eu sorri de seu aspecto pequeno ou vil). (Dante Alighieri, Divina Comedia, Paradiso, Canto XXII, 132-135)

Note a convicção com que o autor descreve os fatos. A esfericidade da terra era uma certeza medieval! Além de Dante, outra famosa poesia medieval declarava com veemência a mesma crença na esfericidade da terra, tanto com palavras como com imagens. Trata-se do poema L’image du monde de Gauthier de Metz escrita no ano de 1245.



Partes originais do poema de Gauthier de Metz, onde
se encontram gravuras da imagem da terra em sua forma esférica

Mas, além destes dados de suam relevância, há ainda uma farta literatura da época a depor contra as mentiras erguida contra o homem medieval. A maior autoridade medieval, o aclamado doctor angelicus, Sto Tomás de Áquino (1225-1274) assim escrevera em sua Suma Teológica:“O astrônomo, por exemplo, demonstra a mesma conclusão que o físico, ou seja, a esfericidade da terra” (Sum. Theol. I., q. 1, ad 2). Ora, será que o maior escolástico da Idade Média fora ignorado por sua época? E Sto Isidoro de Sevilla (560-636) autor das Etimologia (Livro XIV, 2) -- uma leitura obrigatória nas escolas medievais --, assim descrevia o globo terrestre: “Se denomina orbe (terrestre) por causa da redondeza de seu círculo, porque é semelhante a uma roda; por isso, a uma roda pequena se dá o nome de orbiculus. O oceano a rodeia por todos os lados, limitando seus confins como em um círculo. O orbe está dividido em três partes, uma das quais se denomina Asia, a outra Europa, e a terceira, África”. (Etimologias, Bac, Madrid, 2004, p. 997-9988) Teriam sido os maiores educadores medievais -- os escolásticos --  ignorados pela "opinião publica" época?

E muito antes da Idade Média já haviam provas abundantes de que a planicidade da terra nem era considerada entre o povo. Há provas disso em Virgílio, Platão, e na maior autoridade da Antiguidade, Aristóteles, que a este respeito escreveu:  
"Obtém-se uma prova adicional a partir da evidência dos sentidos. Se a terra não fosse esférica, os eclipses da Lua não exibiriam os segmentos da forma que exibem. Assim, nas suas fases mensais a Lua assume toda sorte de formas - com a margem reta, convexa e côncava - mas nos eclipses a borda é sempre convexa. Asim, se os eclipses se devem à interposição da Terra, a forma deve ser causada por sua circunferência, e a Terra deve ser esférica. A observação das estrelas também mostra não somente que a Terra é esférica, mas que não é de grande tamanho, visto que uma pequena mudança de posição de nossa parte para o sul ou para o norte altera visivelmente o círculo do horizonte, de modo que as estrelas acima de nossa cabeça mudam consideravelmente a sua posição, e nós não vemos as mesmas estrelas quando nos movemos em direção ao norte ou em direção ao sul. Certas estrelas são vistas no Egito e nas regiões circunvizinhas de Chipre, mas são invisíveis nas terras mais ao norte, e vemos que as estrelas que são continuamente visíveis nas terras do norte se põem nas outras. Isso prova tanto que a terra é esférica quanto que a sua periferia não é extensa, pois do contrário tal pequena mudança de posição não teria tal efeito imediato. (...) Os matemáticos que tentam calcular a circunferência estabelecem a medida de 400.000 estádios. À partir desses argumentos devemos concluir não somente que a massa da Terra é esférica, mas também que ela não é tão grande em comparação com o tamanho de outras estrelas." (Da Caelo 298a)

O homem medieval, e até o homem da antiguidade, já estava convencido há muito tempo da forma esférica da terra. E disso atestam seus manuais escolares, seus poetas e autores mais lidos e discutidos; assim como a própria Bíblia, etc., E diante disso, como se pode levantar uma mentira desta natureza e a sustentar por tanto tempo? Só nos resta concluir que só a ignorância de um povo pode conservar por tanto tempo uma mentira. E neste quesito, os tempos modernos são campões. Todas as épocas tiveram seus mitos, mas poucas celebraram tantos mitos quanto nossos tempos.


Notas:
1. "qui sedet super gyrum terræ et habitatores ejus sunt quasi lucustæ qui extendit velut nihilum cælos et expandit eos sicut tabernaculum ad inhabitandum" (Isaiae, XL, XXII)
2. "Domini est terra et plenitudo ejus orbis terrarum et universi qui habitant in eo 2.quia ipse super maria fundavit eum et super flumina præparavit eum" (Psalmorum, XXIII, I-II)
3. "cum eo eram cuncta conponens et delectabar per singulos dies ludens coram eo omni tempore ludens in orbe terrarum et deliciæ meæ esse cum filiis hominum". (Proverbiorum, VIII, XX-XXI)
Post Scriptum: Segundo o historiador James Hannem em seu livro Science versus christianity, a estória de que o homem medieval acreditava que a terra era plana começou a ser levantada no século XVIII:
O mito de que as pessoas na Idade Média pensavam que a terra era plana apareceu no século XVIII, como parte da campanha protestante contra o ensino Católico. Mas isto [acabou] ganhando força no século XIX, graças a histórias imprecisas como History of the conflict between religion and science (História do conflito entre ciência e religião) de John William Draper (1874) e A history of the warfare of science with theology in Christendom (Uma história da guera da ciência contra a religião na Cristandade) de Andrew Dickson White. Ateus e agnósticos defenderam a tese do conflito por seus próprios prosósitos, mas a pesquisa histórica gradualmente demonstrou que Draper e White propagaram mais fantasia do que fato em seus esforços para provar que a ciência e a religião estavam confinadas em eternos conflitos.

O Pedido de Ano Novo de São Pedro Julião Eymard

por S. Pedro Julião Eymard Que venha o teu reino! Que ele se espalhe por toda parte: que ganhe prestígio; que progri...