sábado, 22 de novembro de 2014

A Batina




  "Revistam-se os teus sacerdotes de santidade" 
 (Salmo 131, 6)


      
"Minha batina,com que alegria e juvenil transporte eu te vesti,
batina tão querida! Nessa cor preta, que relembras a morte,
com voz tão clara só me dizes: vida.
O teu pesado e desejado porte, à epopeia de Cristo me convida.
E eu que era fraco, só me sinto forte,
Era medroso e só desejo a lida.
Dentro de ti, eu me sinto guardado,
Tal qual fora intrépido soldado,
A combater de um forte baluarte,
E eu juro a Deus, 
perante os céus e a terra,
Pois que a batina o meu futuro encerra,
Minha batina, eu juro honrar-te".
(Padre Manuel Albuquerque)

*
*  *  *

"Minha pobre batina mal cerzida,
tu vales mais que todos os amores,
pois, embora negra, enche-me de flores,
e de esperanças imortais,
a vida com seus sorrisos escarnecedores,
zomba o mundo de ti, de ti duvida,
porque não sabe a força que na lida tu me dás,
do teu beijo aos resplendores
E a mostrar-me do mundo a triste sina,
toda volúpia das paixões apagais.
Oh, como o bravo envolto na bandeira,contigo hei de morrer minha batina.
Ó minha heroica batina e santa companheira".
(D. Francisco de Áquino Corrêa)

****

Dizem que a sociedade está cada vez mais hostil à religião. Mas não estaria está mesma sociedade privada dos sinais exteriores da santa religião? Os católicos não baniram de seus peitos o crucifixo e o rosário de suas mãos?
E mesmo a indispensavel modéstia, que deveria ser um grande distintivo de todo cristão, jã não se percebe em suas condutas. 
Como querem que esta sociedade paganizada pense em Deus se os cristãos lhe negam sinais d'Ele? 
E o que se falar de um dos mais eloquentes sinais de Deus na sociedade: O sacerdote de batina? Sinal do homem que serve a Deus, -- algo raríssimo em nossos dias. Simplesmente, desapareceu! 

Se os militantes das tantas ideologias atéias e pagãs enchem todos os ambientes com suas simbologias, por que os cristãos escondem os sinais de sua fé? 
E estes mesmos cristão que escondem os sinais exteriores da religião, muitas vezes, trazem sem nenhum escrúpulo simbolos pagãos no corpo.
O sacerdote que deveria ser o primeiro a seguir avante neste mundo secularizado com sua majestosa insignia sacerdotal. É o Primeiro a esconder seus sinais. 
Os sacerdotes privaram os olhos da sociedade de suas vestes majestosas que tanto temor incute nos ânimos e nas consciências. Baniram este forte e eloquente sinal de Deus na sociedade, isto depois de banirem também a postura modesta e piedosa que deveria caracterizá-los. Despidos de suas magníficas insígnias sacerdotais, do porte modesto e piedoso, tornaram-se mais um na multidão. 

E por que abandonaram sua esplendorosa mortalha? 
Por que a batina traz um lembrete constante: "Vós não sois deste mundo" (Jo 15, 19). E este lembrete os incomoda! 
Não querem, os modernistas, dizer ao mundo que não pertencem a ele. 
Este lembrete evangélico é, entre tantos outros motivos apostatas, a maior causa desta revolta contra a batina. 
Quando se ama avidamente a vida terrena, não há motivos para pensar na vida eterna!
A batina também é sinal de uma aliança firmada para sempre com Deus! E um esposo só nega a aliança quando não sente orgulho de seu matrimônio.

Rolando Rivi (1931-1945), o mártir da batina.  


     
         

Antes da onda modernista invadir a Igreja e abolir a batina, a Divina Providência suscitou um magnifico exemplo para prepara as consciências sacerdotais sobre aquela insígnia que seria abandonada. 
A vida de um martír. Um mártir da bátina. 

Rolando Rivi, foi um jovem seminarista italiano, que entrou no seminário em um dos períodos mais turbulentos da História. O final da II Guerra Mundial, a queda de Mussoline e a fúria dos comunistas italianos sobre a Igreja. 

Em 1944, quando as tropas nazistas ocuparam o seminário em que vivia Rolando Rivi, este, junto com os companheiros, teve que retornar à vida secular. 
E por conseguinte, intimado a deixar de usar a batina, por causa da onda anticlerical que varria a Itália. 
Rolando, heroicamente se negou a tal imposição, -- por motivos justos -- e permaneceu usando sua batina até seu último dia de vida terrena, não obstante o perigo que isto representava. 
Quando questionado, porquê continuava a usar a batina, em tempos tão hostis como aqueles, respondia prontamente: 
"Eu estou estudando para ser padre e a batina é o sinal de que eu sou de Jesus". 

Em 10 de abril de 1945, quando Rolando Rivi saía da Missa e retornava à sua casa, fora sequestrado por um grupo de partiggiani (Comunistas italianos). 
Sob poder dos comunistas, Rolando experimentou por três dias, torturas e humilhações variadas; revelando uma parcela da fúria que o inferno nutre pelo sacerdócio e seu distintivo externo (a batina). 
No terceiro dia de seu cativeiro, já semi morto, com um tiro na cabeça, os impios comunistas encerraram sua missão na terra! 
A mensagem daquele martírio ficará aos séculos tenebrosos que despontariam. 
Morreu por se recusar tirar a batina! 
Morto in odium fidei. Mártir da bátina. 
Rolando Rivi mostrou que o habito não só faz o monge, como pode fazer o mártir.